8 de fevereiro de 2016

Rutas & Cuestas Andinas - 8º, 9º e 10º Dia e Roteiro

8º Dia (06/02/2016)

Hoje inicia o feriado de Carnaval e os hotéis estão sem disponibilidade. Só nos resta ir embora um dia mais cedo. A questão é se vamos achar onde dormir no caminho pra casa.
De forma um pouco atrapalhada (por culpa do GPS é claro! hehe) cruzamos novamente no meio da capital Mendoza. Estamos indo em direção a Córdoba por um caminho alternativo e não o óbvio que o GPS e o transito comum indica.
Após passar por algumas cidadezinhas do interior de Mendoza, igualmente produtoras de uva, vinho e azeitonas, pegamos a Ruta 142, que curiosamente não é um retão, pois é uma região arenosa com dunas altas e encobertas por uma vegetação rala. Em seguida por um longo trecho da Ruta 20, mostrando que somos pequenos diante deste mundo gigante. Uma leve inclinação no chão nos permite enchergar a estrada e a paisagem a longas distancias de forma inusitada. Cruzamos por áreas pertencentes as províncias de San Juan, San Luis e finalmente Córdoba aos pés de suas belas Sierras.
Pela RP 14 passamos pelo maravilhoso Camino de Las Altas Cumbres de Córdoba. Uma serra rochosa que nos faz subir até os 2300 metros de altitude para transpô-la. Repleta de turistas aproveitando o final de semana largo. Meu temor de não achar hotéis aumentou. Então desistimos de ir a Alta Grácia, cidadezinha turística, pois certamente não encontraríamos onde dormir e fomos direto a Córdoba. Uma mega cidade que gostaria de desviar, mas que acabamos por atravessá-la de ponta a ponta e bem pelo miolo. No Hotel ACA (Automóvil Club Argentino) nos avisaram que a cidade estava lotada e deveríamos tentar em outro lugar. Com a valiosa ajuda do balconista, que não mediu esforços em pesquisar e telefonar encontramos uma cidade no caminho com hoteis expressos, pois lá tem a sede de uma grande empresa. Em virtude do feriado estariam com disponibilidade. Lá fomos nós noite adentro até Arroyito, Córdoba.


Se aproximando das Sierras de Córdoba.


Verdadeiras montanhas rochosas.


No alto dos 2300 metros do Camino de las Altas Cumbres, a neblina deu o tom de inverno.


Breve parada antes da descida.


Bernardo mostrando como estavam todos os integrantes da viagem. Cansados...


Descendo o Camino de Las Altas Cumbres de Córdoba.


Quase chegando a Falda del Carmem. Muitas curvas...



9º Dia (07/02/2016)

Após o café "limitado" do Hostal del Arroyito seguimos pela Ruta 19, passamos por San Francisco e logo estávamos rodando  no caminho já conhecido da ida. Breve descanso em Santa Fé e passamos novamente pelo Túnel subfluvial Raúl Uranga – Carlos Sylvestre Begnis, por baixo do Rio Paraná, com 3,5 km de extensão, sendo 2,4 km entubados e que já completou 47 anos de existência. Mais uma vez o longo trecho da Ruta 127, com uma parte de asfalto deteriorado. Em seguida a Ruta 14 de pista dupla até Paso de Los Libres onde tivemos a árdua tarefa de gastar o que restou dos Pesos Argentinos, abastecendo, comprando cositas ou trocando com cambistas. Cruzamos rápido pela aduana, pela ponte internacional e de noite chegamos em Terra Brasilis! Tinhamos reserva no Hotel Presidente o que nos deixou tranquilos e sem pressa.


Hostal del Arroyito.


Melhor hotel da cidade, amplo, totalmente climatizado e o café da manha mais magrinho de toda a Argentina.



10º Dia (08/02/2016)

Foto de despedida!
Estamos no Brasil, mas temos que atravessar o nosso Rio Grande do Sul pra chegar em casa. Seguimos pela BR 290 e no trevo com a RS 377 nos despedimos numa grande foto comunitária. Daqui o Darci seguiu seu caminho a Rio Grande. O Auri nos acompanhou por um longo trecho, sempre de bate-papo no Talkabout, até a hora do almoço. Nos despedimos pelo rádio e segui em frente aproveitando o sono do Bernardo. Depois de 680km chegamos em casa cansados porém contentes com a viagem.

O roteiro estava muito legal. A companhia foi ótima e tudo correu muito bem. Simplesmente bom demais!!! Era disso que eu tava falando! :)


Las compritas!


Roteiro

Nos mapas abaixo cada dia representado por uma cor:
Dia 01 (30/01/16) Uruguaiana - 640Km (verde claro);
Dia 02 (31/01/16) Miramar, Córdoba - 730km (verde escuro, ficou abaixo do azul claro);
Dia 03 (01/02/16) Villa Union, La Rioja - 730Km (amarelo);
Dia 04 (02/02/16) Rodeo, San Juan - 320Km (amarelo escuro);
Dia 05 (03/02/16) Chacras de Coria, Mendoza -  390Km - permanencia de 3 dias (verde);
Dia 06 (04/02/16) Passeio ao Vale de Uco, Mendoza - 170Km total (verde claro);
Dia 07 (05/02/16) Passeio ao Parque Aconcagua, Mendoza - 370km total (vermelho);
Dia 08 (06/02/16) Arroyito, Córdoba - 770km (azul);
Dia 09 (08/02/16) Uruguaiana - 700Km (azul claro);
Dia 10 (09/02/16) Casa - 680Km (branco).

Total de 5500 Km em 10 dias.


Mapa da Expedição Rutas & Cuestas Andinas.


Detalhe do mapa pela região árida, montanhosa e interessante.


Mapa com o relevo.


Assista ao video da viagem.




5 de fevereiro de 2016

Rutas & Cuestas Andinas - 7º Dia

Hoje pretendemos subir a cordilheira até a divisa com o Chile pra ir no mirante do Aconcágua e contemplar a mais alta montanha das Américas, porém amanheceu nublado e com previsão de chuva. Nosso temor é justamente a chuva e as enxurradas. A uns 3 ou 4 dias a Ruta 7, a estrada internacional foi interrompida por um deslizamento de ponte no caminho até Uspallata. Quem pretendia seguir viagem tinha que desviar pela província de San Juan numa volta muito extensa e por rípio, pois o caminho alternativo pelas Curvas de Villavicencio já estava intransitável a mais tempo.

A Ruta 7 foi liberada, porém com transito em meia pista por um desvio, provocando longas filas. Enquanto fazíamos nosso desayuno (café da manha), aproveitamos pra pegar informações e decidir o que fazer. Vamos simbora! Nem que seja até onde der e voltaremos cedo pra fugir das chuvas mais fortes do fim da tarde. São 185km pra subir a cordilheira, totalizando 370km ida e volta!

Caminho muito bonito, transito razoável e muitos vinhedos no inicio. A estrada segue acompanhando, com distancia segura, o caudaloso Rio Mendoza. Paramos na fila e ficamos mais de uma hora sem sair do lugar. De longe avistávamos os caminhões levantando poeira no desvio improvisado. Seguimos em frente e a medida que subíamos o mau tempo foi ficando para traz nos deixando um belo céu de brigadeiro com montanhas coloridas. Os diversos túneis da estrada fizeram a alegria do Bernardo!

Um pouco antes do Túnel Libertadores, divisa com Chile, a 3.000 metros de altitude acessamos o Parque Aconcágua. Por uma trilha apé de 1,5 km, curtimos os lagos que espelham o imponente Aconcágua de 6962 metros. Que maravilha ver em toda plenitude este gigante colossal e eternamente branco. Belo momento, com céu azul, temperatura agradável e rajadas súbitas de vento. A galera da expedição de bom humor. Muito bom! O Auri flagrou com sua câmera o Darci pular por cima do Aconcágua. Mas que barbaridade tche!

Uma visitinha rápida na Puente del Inca e simbora descer a cordilheira. Não havia fila, já tinha chovido e secado. Em pouco tempo estávamos de volta e aproveitamos pra ir na "capitar" fazer umas compras. No meu caso umas enocompras de encher o porta-malas. Terminamos o dia produtivo na pizzaria La Massa em Chacras de Cória. Eita que hoje valeu!!!


Dique Potrerillos. Reserva de água pra garantir a vida em Mendoza.


Caudaloso Rio Mendoza


Preparando o chimarrão!


Yeahhh!


Esperando na fila pra fazer o desvio. Repare a poeira no alto.


Dirigir nestas estradas é bom demais!


Dezenas de túneis pelo caminho.


A subida continua...


Trilhas no Parque Aconcágua.


Mais um objetivo cumprido!


Darci voando de alegria!


Uhuuuu!!!


Eita que esse Auri pula!


Aconcágua, o teto das Américas!


Vegetação rasteira mas exuberante.


Trilhas no interior do Parque.


Bernardo jogando pedrinhas na água.


Agora o alvo sou eu!


Avião de rosca de alta montanha. :)


Medidores de neve e marcadores a beira da estrada.


Sempre descendo...


Pena que pra rodar em estradas como essa temos que viajar tão longe.


Adiós Ruta 7!


Continua....


4 de fevereiro de 2016

Rutas & Cuestas Andinas - 6º Dia

Um novo dia começa, e desta vez mais nublado. As montanhas não estão visíveis apesar do céu não estar totalmente encoberto. Café da manha, água pro chimarrão e pé na estrada! Saímos em direção ao Vale de Uco, a região vitivinícola que está despontando como a preferida de Mendoza.

Fomos em direção sul pela Ruta 40 e após alguns km pegamos a RP 86, que sobe uma serra e desce ao Vale de Uco. Passamos por Tupungato e ao completar 85km chegamos na Bodega Salentein pra fazer uma visitação. Interessante nesse trajeto é ver vinhedos pra tudo quanto é lado. A produção deve ser em volumes extraordinários.

A Bodega Salentein é de encher os olhos. Tudo grande, vasto, espaçoso, moderno e surpreendente. Fizemos a visitação e ouvimos aquele blábláblá de sempre das vinícolas, que já estamos acostumados, mas valeu a pena. Entre os ambientes que circulamos, havia uma sala de luz tênue e ampla, parecendo um anfiteatro, arrodeada por barricas de carvalho. Ao centro um piano que magicamente começou a produzir música por uma menininha tímida do grupo de visitas. Depois de vários pedidos ela tocou novamente e foi aplaudida por todos. Melhor momento da visita! E pra fechar com chave de ouro, degustação dos vinhos! ehehehehe

Ao sair pro exterior fomos surpreendidos com uma sonora tempestade que se aproximava. Nos disseram que por causa do El Niño o clima está diferente, com muitas chuvas, o que não é nem um pouco comum. Corremos até os veículos e fomos almoçar numa outra pequena vinícola bem perto desta. Nos disseram ser a única vinícola no Vale de Uco com 100% de capital Argentino, Bodega La Azul. Uma refeição completa com 2 entradas, prato principal e sobremesa, sempre com um vinho harmonizado. Enquanto isso a tormenta molhava geral. Muito bom! Aproveitamos bem os vinhos oferecidos! :)

Tentamos visitar também a Bodega Andeluna, mas já estava fechada, então voltamos pra nossa "residencia" em meio as enxurradas da recente tempestade. Nessa região não é comum chover, mas quando chove as pedras saem rolando! eheheh


Chegando na Bodega Salentein


Paredes cocretadas com pedras redondas, comuns nesta região.


Bernardo a mil.


Ferramentas pra trabalhar com pedras.


Visual nada simplório.


Esperando nossa hora.


Atras destas nuvens estão as montanhas nevadas que dariam o cenário perfeito.


As distâncias das capitais.


Hã? Hein?


Cavalo de sucata.


Entre uma instalação e outra, tudo grandioso.


Tanques pra todos os lados.


Quem se arrisca a tocar?


Tanques de madeira para fermentação de alguns vinhos específicos. Nada comum atualmente.


Instalações sólidas e surpreendentes


Anfiteatro do vinho.


Temperatura amena.


Barril transparente com a luz mostrando o vinho branco evoluindo.


Tudo muito bonito.


Hora de provar!


Ehheee!!!!


Chuva se aproximando.


Cacho de Pinot Noir.


Ainda não está bem madura, mas vamos provar!


Correr é o mais divertido!


Primeira entrada na Bodega La Azul. Não parece mas é salgado.


Segunda entrada, uma empanada assada na brasa. Deliciosa.


Minha escolha. Asado de porco.


Escolha da turma. Bife de chorizo.


Minha sobremesa. Salada de frutas com sorvete.


Sobremesa da Denise. Pudim de sei lá o que, que era bem bom.


Bernardo adora trator.


Plantação de pêssegos


Parece delicioso!


Bodega Andeluna


E a chuva não dá trégua.


Terras aridas?


Praça de Tupungato


Passear cansa...



Continua....